Em palestra na FENATRAN, Presidente do SETCESP fala sobre os desafios do TRC
Compartilhe:

Tayguara Helou compartilhou com o público, não apenas as dificuldades enfrentadas pelo setor, mas também listou possíveis soluções e novas perspectivas

Na manhã de ontem (17), o presidente do SETCESP, Tayguara Helou apresentou no Wokshop do CIST- Clube Internacional de Seguros de Transporte, algumas propostas da entidade para o transporte rodoviário de cargas. A palestra ocorreu na FENATRAN, que é o maior evento do transporte rodoviário de carga na América Latina.

Contando um pouco da trajetória da entidade e apontando os benefícios que o SETCESP dispõem para os seus associados, Tayguara afirmou que não apoia a contribuição obrigatória, porque acredita que um sindicato pode gerar valor e oferecer serviços de interesses aos associados. “No SETCESP temos o Clube de Compras, SEREM – Setor de Elaboração de Recurso de Multa, Assessoria Jurídica e o mais novo serviço, que é a Torre de Controle e Vigília o qual não tem nada a ver com Gerenciamento de Riscos” e fez questão de frisar, “mas sim um serviço de compartilhamento de informações”.

Na sequência Tayguara mostrou ao público qual a idade média da frota de veículos de carga no Brasil, e como isso pode ser prejudicial ao meio ambiente e a segurança no trânsito. Falou da falta de coerência da cobrança de IPVA, e a considerou minimamente, pouco inteligente. “Quanto mais velho o caminhão, menos ele paga o IPVA, qual a lógica nisso: incentivar uma frota com pouca tecnologia e alta emissão de carbono?” indagou Tayguara, que aproveitou para apresentar a proposta da entidade para a renovação de frota para o país.

Em seguida, o presidente do SETCESP listou as características do transporte rodoviário de cargas, que atualmente, detém a participação de 61% na cadeia de logística do país, o que é semelhante a outros países do mundo. “Não foi apenas o Brasil que optou pelo transporte sobre rodas, os países que tem extensão territorial expressiva também escolheram, a diferença é que em outros países as pessoas sabem que precisam conviver com esse transporte e buscam técnicas para fazer isso em equilíbrio”.

Tayguara apontou que no país é preciso construir um transporte rodoviário de cargas que deve funcionar com os outros modais, e mencionou também a falta de infraestrutura da malha rodoviária brasileira que segundo dados pesquisados 62% da população considera as estradas brasileiras como regular, ruins ou péssimas –  “o transporte de cargas tem que ser multimodal”, sugeriu.

Encerrando a palestra, Tayguara destacou que o transportador trabalha também em prol da sua rentabilidade e saúde dos negócios, e lembrou a todos a respeito da defasagem do frete “tarifa baixa é sinônimo de perigo nas estradas porque não permitem a manutenção correta do veículo e nem o descanso adequado ao motorista”.

Após a apresentação o presidente do SETCESP respondeu às perguntas dos mediadores Sergio Casagrande, vice-presidente da Apisul e Salvatore Lombardi, diretor do CIST, e também esclareceu alguns questionamentos da plateia que fizeram perguntas a respeito das privatizações dos Correios, inovação e novas tecnologias.

Dividido em dois painéis, Tayguara foi sucedido por Flavio Amaral, executivo responsável pela operação de distribuição da Natura palestrou sobre a Logística 4.0 e IoT – Oportunidades, Riscos Emergentes e Soluções de Seguro.

Quer conferir a apresentação completa? Então acesse este link.


voltar