Tempo que vale dinheiro
Compartilhe:

Dados da nova pesquisa IER apontam a diminuição de 30 minutos no tempo médio para a descarga de mercadorias

Quem já perdeu horas na fila do banco, do caixa ou aguardando em um ponto de ônibus, sabe bem, como esperar nunca é tarefa fácil. O transportador conhece de perto essa situação, já que diariamente aguarda nos maiores centros de distribuição do País, a sua vez para descarregar o caminhão. Ele sabe como ninguém, que veículo parado é sinônimo de improdutividade e sinal de prejuízo.

E não estamos falando de uma espera, de 40 minutos a uma horinha, não. O Tempo Médio de Descarga (TMD) para conseguir entregar nos principais pontos de abastecimentos de mercadorias foi de 2h20, segundo apurou a pesquisa IER 2020. Ainda assim, essa demora se consolidou 30 minutos menor que em 2019.

Esse levantamento é uma iniciativa da Diretoria de Especialidade de Abastecimento e Distribuição do SETCESP, e atualmente é feito pelo IPTC – Instituto Paulista do Transporte de Carga para identificar e mensurar a eficiência no recebimento de mercadorias nos principais polos recebedores de carga da grande região metropolitana de São Paulo, e ao fazer isso, afere para esses estabelecimentos o IER (Índice de Eficiência no Recebimento.

Marinaldo Reis, diretor de abastecimento e distribuição do SETCESP, comentou que o índice é composto por duas vertentes. “Além do tempo do recebimento da carga, consideramos as condições operacionais examinadas a partir das respostas de um questionário que contempla 22 pontos”.

O IER mapeia e avalia a infraestrutura e os procedimentos operacionais das principais redes recebedoras de mercadorias, há mais de 18 anos, isso em quatro setores de atividade: atacadistas, supermercados, home centers e centros de distribuição (CDs).

Segundo Fernando Zingler, diretor executivo do IPTC, apesar de uma melhora nos números com relação ao ano passado, no qual o tempo médio de descarga apurado foi de 2h50; a pandemia teve grande influência no resultado de 2020. “Colocamos a questão sobre estrutura para os motoristas como sanitários e bebedouros, justamente por conta do Covid-19. O estabelecimento não oferecer um mínimo de condições para o motorista que está lá fazendo a operação de descarga é bastante preocupante, mas vemos que ano após ano, esse indicador vem melhorando”.

Essa queda de 30 minutos no tempo de descarga (de 2019 para 2020), que até parece inexpressiva, na verdade desonera as operações, aliviando o bolso do transportador em média até 12% com o custo da hora parada, de acordo com o tipo de veículo.

O IER revelou que apenas 26,8% dos estabelecimentos contam com áreas de espera para os motoristas, assim como apenas 28,1% oferecem sanitários, evidenciando estruturas que ainda carecem de elementos básicos e, na maioria das vezes, essencial para o serviço de descarregamento. A pesquisa foi realizada de 8 de junho a 20 de novembro de 2020, e contou com a participação de 231 estabelecimentos, entre os pontos questionados estavam perguntas como a quantidade de docas e vagas de estacionamento disponíveis, e também como são feitas as devoluções de canhotos e de paletes.

Também foi medido o IER por setor de atividade indicando que, os atacadistas demoram cerca 2h52 para o recebimento, enquanto nos homes centers o tempo é de 1h22; o pior tempo para  descarregamento é nos CDs, a espera chega a 4h; embora esses locais costumam ter a melhor infraestrutura, enquanto nos supermercados, a média de espera para descarregar é de 2h05, entretanto, são os locais com as piores condições de infraestrutura.

Para Zingler existem alguns pontos a serem levados em consideração para subir de posição na classificação do IER, obviamente o tempo médio de descarga é a principal condição para estar entre os primeiros lugares do ranking. “Quanto maior o tempo, menor a posição no ranking. A questão é que o tempo médio é consequência de todos os outros pontos que elencamos, tanto referentes à infraestrutura quanto de procedimentos. Porém os procedimentos são os principais pontos que derrubam os estabelecimentos no ranking. Entre eles, o mais decisivo é o agendamento, pois hoje, da forma como é feito, na maioria das vezes não é cumprido. Tudo isso vai acabar influenciando no tempo médio final e na posição no ranking”, explicou o diretor do Instituto.

O melhor IER de 2020

Neste ano, a rede Tok&Stok levou o prêmio de melhor IER e ganhou também como a rede com maior evolução de desempenho. Esta edição contou com uma premiação virtual realizada no dia 17 de dezembro, por meio de uma transmissão ao vivo no canal do SETCESP no YouTube.

Walter Lopes, gerente de logística da Tok&Stok

Walter Lopes, gerente de logística da Tok&Stok, recebeu o reconhecimento feito pela entidade e contou que o trabalho da rede é desenvolvido por mais de 400 profissionais, que atuam nos CDs da Tok&Stok.

Ele compartilhou também que já esteve do outro lado. “Eu trabalhei com meu pai fazendo entregas de caminhão, e aconteceu de eu chegar no local de recebimento, apresentar o canhoto e as pessoas não me darem nenhuma atenção. Hoje eu busco fazer diferente. Tratar o caminhoneiro ou transportador da forma que eu gostaria de ser tratado, com humanidade”, compartilhou ele.

No ranking de classificação a Tok&Stok passou da 17ª posição em 2019 para a primeira em 2020, alcançando um IER 62,4%.

Confira as 15 redes com melhor colocação do ranking IER.

Clique e veja o relatório na íntegra.


voltar