Mercado reduz projeção de alta do PIB em 2022 de 1,63% para 1,57%, aponta Focus
Compartilhe:

Mediana das estimativas para o IPCA em 2021 sobe de 8,35% para 8,45%; para a Selic, ponto médio das expectativas para o fim deste ano ficou estável em 8,25% ao ano

A mediana das projeções do mercado para o crescimento da economia brasileira em 2022 voltou a cair, pela 4ª semana consecutiva, agora de 1,63% para 1,57%, no Relatório Focus, do Banco Central (BC), divulgado hoje com estimativas coletadas até o fim da semana passada.

Para 2021, o ponto-médio das expectativas para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) manteve-se em 5,04%.

A economia brasileira encolheu 0,1% no segundo trimestre, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no começo de setembro. A mediana das estimativas coletadas pelo Valor Data junto a 61 consultorias e instituições financeiras apontava para uma alta de 0,2% no período, com intervalo das projeções entre baixa de 0,3% e elevação de 0,8%.

IPCA

A mediana das projeções dos economistas do mercado para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2021 subiu pela 25ª semana seguida, agora de 8,35% para 8,45%, segundo o Relatório Focus, do Banco Central (BC), divulgado hoje com estimativas coletadas até o fim da semana passada. Para 2022, também subiu, pela 10ª sondagem consecutiva, de 4,10% para 4,12%.

Selic

Para a taxa básica de juros (Selic), o ponto-médio das expectativas manteve-se em 8,25% no fim de 2021 e 8,50% no de 2022. A meta de inflação a ser perseguida pelo BC é de 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, sempre com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Na reunião da semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa básica de juros em 1 ponto percentual (p.p.), para 6,25% ao ano, conforme era esperado pela maior parte do mercado. Foi a quinta alta seguida e a segunda consecutiva de 1 ponto percentual. O Copom afirmou que antevê outro ajuste de 1 p.p. na próxima reunião.

Câmbio

A mediana das estimativas para o dólar no fim de 2022 foi elevada de R$ 5,23 para R$ 5,24, segundo o Relatório Focus, do Banco Central (BC), divulgado hoje baseado em projeções coletadas até o fim da semana passada.

Para 2021, o ponto-médio das projeções ficou parado em R$ 5,20 entre uma semana e outra.

TOP 5

A mediana das estimativas para o IPCA neste ano subiu de 8,59% para 8,80% entre os economistas que mais acertam as previsões compiladas pelo Banco Central, os chamados Top 5, de médio prazo.

Para 2022, o ponto-médio das expectativas para a inflação oficial brasileira permaneceu em 4,29% entre eles, de uma semana para outra.

A projeção para a Selic manteve-se em 8,25% para o fim de 2021 e subiu de 8,50% para 9,00% no de 2022 nesse seleto grupo. A meta de inflação a ser perseguida pelo BC é de 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, sempre com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Para o dólar, os campeões de acertos mantiveram as estimativas em R$ 5,10 no fim deste ano e R$ 5,20 no próximo.

Desde a penúltima semana de janeiro, as apostas dos Top 5 passaram a ser divulgadas pelo Banco Central apenas por meio do Sistema Expectativas de Mercado — cuja atualização acontece às 9h das segundas-feiras, com as estimativas coletadas até o fim da semana anterior — e não mais pelo Relatório Focus, com publicação às 8h25.


voltar