SETCESP 85 anos de história
Compartilhe:

Em 26 de janeiro de 1936, numa sala na rua Visconde de Parnaíba a entidade foi oficialmente fundada, com a presença dos seus 11 primeiros associados

“Para quem não sabe, ao menos três anos antes de sua fundação o SETCESP já vinha lutando pelos interesses do transporte de cargas”, contou Tayguara Helou, presidente do Conselho Superior e de Administração do SETCESP, em seu discurso realizado durante a comemoração pelo 85º aniversário da entidade, festejado em 10 de fevereiro.

Ele ainda compartilhou que no início, os empresários se reuniam na garagem de suas casas, a fim de discutir alternativas para melhorar o escoamento da produção de café do estado de São Paulo para o Porto de Santos. Começava-se ali a se formatar o projeto de uma organização que luta pelos direitos da categoria.

“Naquela época não havia a indústria automobilística, parte da produção era carregada por caminhões importados, e todo o excedente, por carroças. O SETCESP fez parte da luta para trazer o parque industrial de montadoras de caminhões ao Brasil e para construção de todo o sistema rodoviário Anchieta-Imigrantes”, afirmou Helou.

A construção da via Anchieta só foi iniciada em 1939 e concluída em 1947.  Trata-se de uma obra-prima da engenharia brasileira, com grandes dificuldades de execução, devido a Serra do Mar.

Duas décadas depois o setor dos transportes começou a crescer com a chegada das primeiras montadoras, no ABC paulista. Os primeiros caminhões fabricados no Brasil foram os FNM, apelidados pelos brasileiros de “cara chata”.

Desde sua criação, o sindicato esteve à frente de todas as grandes bandeiras de relevância para a classe, como a diminuição do roubo de cargas, a redução de tributos e das barreiras fiscais, além da melhoria da infraestrutura em rodovias.

“Aqui dentro deste prédio temos as maiores lideranças do nosso setor”.

Os três últimos ex-presidentes do SETCESP estiveram presentes no evento e também fizeram discursos em comemoração aos 85 anos de história.

De 2004 a 2006, Urubatan Helou presidiu a casa. Com a palavra, ele lembrou a importância das entidades representativas. “Tive o enorme prazer de ter sido o 13º presidente. As entidades de classe têm um papel fundamental na interlocução com os órgãos governamentais. Agora, por exemplo, temos a oportunidade única de mudar a direção do nosso Brasil com as reformas que esse País requer. Temos que realizar uma reforma tributária para continuarmos fazendo negócios com menos sobressaltos”.

Urubatan também reforçou o que acredita ser mais significante para que o Brasil volte a crescer: uma Reforma Política. “Não se pode cruzar os braços e depois reclamar porque o governo deveria ter feito isso ou aquilo. Se estamos em um regime democrático o poder emana do povo e da sociedade organizada, e a sociedade organizada está ligada às suas entidades. Esse é o momento de valorizar as nossas entidades e nos reunir em torno delas para fazer a promoção desses itens que podem levar o País para uma situação melhor no futuro”, disse mostrando a importância das instituições representativas.

“Se estamos em um regime democrático o poder emana do povo e da sociedade organizada, e a sociedade organizada está ligada às suas entidades”.

Entre as grandes conquistas que marcaram o SETCESP, esteve a sua atuação junto ao poder legislativo, no esforço para criar leis, normas e regras que pudessem regulamentar e disciplinar a atividade do transporte rodoviário. Muito disso, que resultou, na criação da Associação Nacional dos Transportadores de Cargas, NTC&Logística, em julho de 1963, e também na criação da Federação do Estado de São Paulo – FETCESP, em 1989.

Hoje, presidente da NTC&Logística, Francisco Pelucio esteve à frente do SETCESP entre os anos de 2007 e 2012 e descreveu suas conquistas enquanto presidiu o sindicato. “Na época conseguimos exercer a influência necessária para que fosse feita a alça de acesso para o terminal Fernão Dias e a inauguração do Trecho Sul do Rodoanel. É uma emoção muito grande recordar esses feitos. Que o SETCESP viva mais 85 anos de luta pelo transporte rodoviário de cargas”.

“Que o SETCESP viva mais 85 anos de luta pelo transporte rodoviário de cargas”.

Conhecido como presidente da transição, Manoel Sousa Lima  explicou ao que se deu tal reconhecimento. “Quando estive na presidência desta casa, toda minha diretoria era oriunda da COMJOVEM. Cheguei a ser questionado por manter uma diretoria jovem demais, quem me perguntava com certeza não sabia o quanto os jovens podem estar preparados. Prova disso, é o Tayguara que veio da Comissão de Jovens Empresários e Executivos e dirige muito bem essa entidade atualmente”.

Outra questão que Sousa Lima pontuou, foi a união entre os empresários como uma característica forte do SETCESP. “Este sindicato tem uma particularidade muito grande, aqui todas as bandeiras permanecem e são seguidas, ninguém larga o osso, brigamos juntos pelos mesmos propósitos”.

“Brigamos juntos pelos mesmos propósitos”.

Ao todo o SETCESP já teve 17 presidentes. “Foi uma longa jornada até chegar aqui. Recordando um pouco da história, encontramos inúmeros motivos para comemorar. Não poderíamos deixar de homenagear esses 85 anos. Aqui dentro deste prédio temos as maiores lideranças do nosso setor”, declarou Helou.

Atualmente, a entidade representa empresas de transportes em 50 municípios do estado de São Paulo, incluindo a capital e região metropolitana. Existem aproximadamente 21.000 transportadoras em sua base territorial. Foi o primeiro sindicato patronal da América Latina e conta com cerca de 30 colaboradores.

Uma réplica do Palácio do Transporte

As comemorações de aniversário do SETCESP também envolveram a inauguração de uma escultura feita pelo artista plástico, Tércio Gomes, em pedra sabão com o formato do prédio do Palácio dos Transportes.

O novo auditório

Durante a celebração ainda foi inaugurado um retrofit do auditório no Palácio do Transportes. O ambiente teve toda sua parte elétrica, acústica e hidráulica reformadas, e ainda, foram trocados os forros, as cortinas, o carpete e as poltronas transformando o ambiente em um local mais confortável e preparado para eventos. Na ocasião foram citados todos aqueles que contribuíram para a reforma, os nomes que ficaram gravados em uma placa de agradecimento.


voltar