Aplicativos para transporte é tema de reunião da Comjovem
Compartilhe:

Via videoconferência, o núcleo de São Paulo se encontrou para analisar os aspectos deste novo formato de entregas

Na tarde da última quinta-feira (24), a Comissão dos Jovens e Empresários e Executivos do núcleo de São Paulo – Comjovem SP, se reuniu virtualmente para avaliar os impactos que os vários aplicativos de transportes estão trazendo para o TRC.

Ao dar início a reunião, o coordenador da comissão, Luis Felipe Machado, avisou “sabemos que o assunto dá margem para muita divergência, no entanto, é importante conversarmos para se ter uma visão ampla do cenário”.

Conduzindo a apresentação, o participante, Guilherme Juliani, falou sobre os números do comércio eletrônico no Brasil, que tem crescido exponencialmente, e as condutas de vários varejistas que tem encontrado nos aplicativos de transporte um jeito para dar vazão em suas entregas o que seria uma espécie “uberização no TRC”, segundo ele.

“Não existem verdades absolutas, tudo está mudando muito rápido, mas queremos ser protagonistas nesta história, e não personagens coadjuvantes”, disse Juliani.

Dando sequência ao tema, o assessor jurídico do SETCESP, Narciso Figueirôa Junior, destacou as obrigações trabalhistas legais que uma transportadora têm em comparação a uma empresa de aplicativo. “Para o setor seria interessante que houvesse também uma legislação sobre a prestação deste serviço, que a regulamentasse”, afirmou.

“A ideia não é vetar a evolução, pelo ao contrário, queremos trazê-la para dentro dos nosso negócios”, disse Machado após as informações apresentadas por Figueirôa, e reiterando que o vínculo de uma empresa por aplicativo com seu prestador tem que estar claro: “ou é empregatício ou de autonomia”.

Em unanimidade, os participantes concordaram que as condições é que devem ser iguais, tanto para as empresas de aplicativo, quanto para as de transporte rodoviário de cargas.

“A palavra da vez é isonomia, todos temos que ter as mesmas condições para operar. Vamos continuar acompanhando o assunto de perto”, orientou Machado.


voltar