+55 (11) 2632-1000
Escolha uma Página
03 de Março de 2017 – 05h12 horas / CNT

O balanço final da Operação Carnaval, da PRF (Polícia Rodoviária Federal), aponta que o feriado deste ano teve 23,9% mais mortes em decorrência de acidentes nas rodovias federais, se comparado ao Carnaval de 2016. O número cresceu, apesar de o total de acidentes ter caído 5,3% (1.696 no total) e o de ocorrências graves ter reduzido 18,6% (323). Os dados foram divulgados na quinta-feira (2).

 

Conforme os agentes, isso se deve ao fato de muitas pessoas terem perdido a vida em poucos acidentes: 11 colisões, o equivalente a 1%, responderam por 44 mortes, 31% do total. Em dez dos 11 acidentes houve colisões frontais, tipo de acidente característico de ultrapassagens indevidas. Segundo o inspetor da PRF João Francisco de Oliveira, chefe do Centro de Controle Operacional, essa prática e excesso de velocidade estão associados às ocorrências mais graves registradas nas rodovias federais.

 

Segundo a Pesquisa CNT de Rodovias 2016, da Confederação Nacional do Transporte, 88% das BRs são de pista simples, condição que eleva o risco de acidentes. Para o presidente da CNT, Clésio Andrade, a infraestrutura inadequada da malha brasileira também impacta no número de ocorrências. "Em rodovias de péssimas condições há mais acidentes. Buracos, pista simples, curvas perigosas tornam os trechos locais de risco. Então sabemos a importância de o governo federal agir rapidamente nessa questão de duplicação, melhorias e adequação das rodovias", destaca Clésio Andrade.

 

Multas

 

Ao todo, os agentes da PRF aplicaram 84.867 autuações, 157% mais que no Carnaval de 2016. Além disso, câmeras e radares flagraram 108.267 casos de excesso de velocidade, número 15% maior que o do ano passado.

 

Embriaguez ao volante

 

Entre a sexta-feira véspera de carnaval (dia 24 de fevereiro) e a quarta-feira de cinzas (dia 1º de março), 2.019 motoristas foram multados por embriaguez ao volante. O número é 45% maior que o de 2016. A multa é de R$ 2.934,70. A PRF diz que o aumento ocorreu porque os agentes realizaram 41% mais testes de alcoolemia neste ano em relação ao ano passado.

 

Desses condutores, 214 foram presos, porque, quando realizaram o teste do bafômetro, o equipamento acusou mais de 0,34 miligrama de álcool por litro de ar expelido.

 

Ultrapassagens irregulares

 

As multas aplicadas a motoristas que ultrapassaram em locais proibidos totalizaram 11.825. O número foi 26% maior que o do Carnaval passado.


voltar