(11) 2632-1000
Escolha uma Página
Vendas de caminhões em 2018 sobem 46%
09 de Janeiro de 2019 – 14h29 horas / Pé na Estrada

Ainda que a base de 2017 fosse pequena, os resultados de 2018 deixaram as montadoras animadas. Enquanto 2017 fechou com 51.941 caminhões vendidos, 2018 surpreendeu e fechou com 75.987 unidades, um crescimento de 46,3%. Os dados são da Anfavea, Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores.

 

O crescimento foi bem maior que o esperado. Enquanto a Anfavea projetou para 2018 79,5 unidades licenciadas de caminhões e ônibus, o que traria um crescimento para o setor de pesados de quase 25%, o real foram 91.068 unidades, ou seja, um crescimento de 43%.

 

Outros segmentos também cresceram. Em 2017 foram 1,8 milhão de automóveis vendidos, já 2018 fechou com 2,1 milhões de unidades licenciadas, um crescimento de 13,1%. Comerciais leves passaram de 320 mil para 376 mil unidades, aumentando em 17,5%. Máquinas agrícolas também tiveram crescimento, alcançando 47.777 unidades.

 

Caminhões

O setor de caminhões vinha amargando resultados muito baixos nos últimos anos, mas foi de longe o mercado com maior crescimento em 2018, 46,3%. Das quase 76 mil unidades vendidas, 34.782 foram de veículos pesados (mais de 40 toneladas de PBTC), o que representou 85,5% de alta. O agronegócio, mais uma vez, fez grande diferença no setor, porém, os números ainda estão muito abaixo do alcançado antes da crise.

 

Destaque também para os médios, caminhões com peso bruto total entre 10 e 15 toneladas, que venderam 7.664 unidades em 2018, um crescimento de 72,7% em relação a 2017.

 

Já as exportações não tiveram seu melhor ano. O principal fator foi a crise na Argentina, grande destino dos veículos produzidos aqui. Queda nas unidades enviadas ao México também afetaram o resultado. Ainda assim, mesmo retraindo quase 18%, 2018 ainda foi o segundo melhor ano para exportações desde 2008.

 

As expectativas são boas no setor para 2019. A Anfavea acredita em um crescimento de 15,3% no licenciamento de pesados (caminhões e ônibus) e 11,3% dos leves.


voltar