+55 (11) 2632-1000
Escolha uma Página
10 de Maio de 2018 – 15h45 horas / Automotive Business

Com 3,47 milhões de veículos negociados de janeiro a abril deste ano, o mercado de usados também está em alta, registrando crescimento de cerca de 5% na comparação com o mesmo período de 2017. As negociações de automóveis de passageiros e caminhões de segunda-mão puxaram os números para cima.

 

Segundo dados do Renavam divulgados esta semana pela Fenabrave, o volume de veículos leves (de passeio e utilitários) usados negociados entre janeiro e abril atingiu 3,35 milhões de unidades, em alta de 5%, o que equivale a 4,2 usados para cada 1 zero-quilômetro vendido no primeiro quadrimestre. O índice continua alto, visto que já esteve na casa dos 3 para 1 quando o mercado de novo era superior a 3 milhões/ano.

 

Com frota circulante maior, as quatro marcas mais tradicionais lideram o mercado de veículos leves usados no Brasil: Volkswagen (21,2%), Fiat (20,4%), GM (20,3%) e Ford (10,2%).

 

Pesados

Os caminhões registraram o maior crescimento do mercado de usados no quadrimestre, com 107,3 mil unidades negociadas e alta de 5,4% no período, com 4,8 transferências para cada zero-quilômetro emplacado. A recuperação das vendas de caminhões novos, que registraram avanço 57,6% com emplacamento de 20,7 mil unidades nos primeiros quatro meses do ano, também acelera a roda do segmento de usados com renovação das frotas de transportadores.

 

O desempenho negativo vem dos ônibus, que não acompanham a alta das vendas de chassis novos (+43%). Foram negociados 15,4 mil usados em quatro meses, em queda de 5,1% sobre o mesmo período do ano passado. O índice é de 3,6 usados para um novo.

 

Mercedes-Benz e Volkswagen replicam no mercado de veículos usados pesados a mesma briga nos emplacamentos de novos, dividindo liderança e vice, mas com vantagem pouco maior da primeira, em função do maior tempo (62 anos) de estrada no país. Nas vendas de caminhões de segunda-mão, 37,4% são Mercedes e 21,7% são VW. Já entre os ônibus, as participações são de 56% e 18,4%, respectivamente.


voltar