+55 (11) 2632-1000
Escolha uma Página
02 de Outubro de 2017 – 04h52 horas / Agência de Notícias do Paraná

As safras recordes, o crescimento do agronegócio e o novo ciclo de industrialização impulsionaram o setor de transporte rodoviário no Paraná. O setor mais que dobrou de tamanho em cinco anos e já é o segundo maior do País, atrás apenas de São Paulo, de acordo com dados da mais recente Pesquisa Anual de Serviços, do IBGE, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

 

Em 2010, o setor gerava uma receita bruta de 11 bilhões e 400 milhões de reais no Estado. O faturamento chegou a 27 bilhões e 100 milhões de reais em 2015, sendo um avanço de 137% no período, superando Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro. Já São Paulo, na primeira posição, gera receitas de 73 bilhões e 600 milhões de reais. O setor de transporte rodoviário, que inclui tanto o de passageiros quanto de cargas, movimenta 243 bilhões e 800 milhões de reais por ano no Brasil. Em cinco anos, ele cresceu 68%.

 

O diretor-presidente do Ipardes, Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social, Julio Suzuki Júnior, comenta que o setor funciona como uma espécie de “termômetro” da economia. Se ela vai bem, a movimentação de cargas e produtos pelas rodovias da indústria até os pontos de venda também aumenta. Ele afirma, ainda, que o setor de transporte rodoviário sempre foi tradicional no Paraná.// SONORA JULIO SUZUKI JUNIOR//De acordo com o IBGE, o setor gera mais de 160 mil empregos no Paraná. Entre 2010 e 2015, mesmo com a recessão, o número de pessoas ocupadas foi de 161 mil e 538, um aumento de 48,7%.

 

O número rendeu uma participação paranaense de 9% do total de pessoal empregado no Brasil. A pesquisa mostra que o número de empresas também aumentou, passando de 11.885 em 2010 para 18.295 em 2015. Neste ano, de acordo com a Pesquisa Mensal de Serviços do IBGE, impulsionados pela boa safra agrícola, serviços de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correios tiveram alta de 12,8% de janeiro a julho, na comparação com mesmo período do ano passado.

 

A expectativa, de acordo com o Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas do Paraná, é de retomada mais forte do transporte de cargas neste ano e no ano que vem. (Repórter: Priscila Paganotto)


voltar