+55 (11) 2632-1000
Escolha uma Página
27 de Julho de 2018 – 15h31 horas / Codesp

A movimentação de cargas pelo complexo portuário de Santos atingiu novo recorde no total acumulado até junho, registrando crescimento de quase 6% em relação à melhor marca até então, verificada em igual período do ano passado. Foram cerca de 64,5 milhões de toneladas, superando em praticamente 1,5 milhão de toneladas o total do primeiro semestre de 2017. A projeção revisada para o acumulado do ano é de 133,3 milhões de toneladas, 2,7 por cento a maior que 2017.

 

O desempenho no mês ficou aquém do realizado em junho anterior, forçado pela queda de cerca de 4 por cento nos embarques, ainda influenciado pelos reflexos da greve dos caminhoneiros, mesmo com as descargas apontando crescimento de quase 5 por cento. As cargas embarcadas representaram 71 por cento do total operado.

 

Acumulado
O movimento acumulado neste primeiro semestre registrou alta de 4,1% dentre as cargas embarcadas e de 9,6% nas descargas.

 

Dentre os principais destaques nos embarques do período, considerando-se o crescimento percentual, as exportações de milho foram as de maior alta (55,2%), seguidas pela celulose (40,7%) e sucos cítricos (35,2%).  Vale destacar que, apesar de não figurar dentre as de maior incremento, a alta de 10,4% nas exportações do complexo soja teve significativa participação com quase 20 milhões de toneladas movimentadas no semestre.

 

Nas operações de descarga, as maiores altas do semestre ocorreram nas movimentações de fosfato de cálcio (47%), seguidas por soda cáustica (35,2%) e amônia (29,4%).

 

Mensal
Nos números de junho, os índices de crescimento mais significativos foram nas operações de descarga, com destaque para o crescimento nas movimentações de sulfato dissódico (151,3%), soda cáustica (80,7%) e metanol (28,5%). Considerando-se o volume movimentado, adubo e trigo, apesar do menor índice de crescimento, respectivamente 16,4 e 2,3%, agregaram um volume maior em tonelagem, provocando um crescimento mais significativo no total consolidado das importações.

 

Na movimentação de embarque, o crescimento dos sucos cítricos (62,9%), celulose (48,6%) e complexo soja (15,2%) compuseram as mercadorias com maior índice de aumento. Considerando a tonelagem agregada no total dos embarques em junho, o complexo soja, apesar de registrar alta de 15,2%, destaca-se de forma isolada das demais cargas, acrescendo cerca de 400 mil toneladas, equivalente aproximadamente ao carregamento de seis navios, na comparação com junho de 2017.

 

Contêineres
As operações com contêineres atingiram o total de cerca de 2 milhões TEU no semestre, refletindo aumento de 11,8 por cento. Foram quase 22milhões de toneladas de carga operadas.

 

Vale destacar a tendência de crescimento da produtividade nas operações de contêineres. São 11 meses consecutivos de índices de crescimento. Em junho, Santos registrou consignação média de 1972 TEU por navios, variação de 4,67% em relação ao mesmo mês de 2017 no total de TEU’s. No acumulado do primeiro semestre, o índice já atinge incremento de 9,8%. O ganho é resultado das condições de calado que propiciam a navegação de navios de maior porte no complexo santista.

 

Balança Comercial
A participação de Santos no total da balança comercial do país chegou a 27,7%, com US$ 54,1 bilhões movimentados pelo complexo no primeiro semestre. As exportações representaram 26,7% do total, equivalente a US$ 30,2 bilhões. As importações chegaram a US$ 23,9 bilhões, com 29,2% de participação. Considerando-se exclusivamente as trocas comerciais utilizando o sistema portuário, a participação de Santos atinge 36,4%.

 

China, Estados Unidos e Argentina foram os principais países de destino das cargas embarcadas. Complexo soja, óleos brutos de petróleo e açúcar foram as cargas que somaram o maior valor comercial dentre as mercadorias embarcadas.

 

No fluxo de importação, China, Estados Unidos e Alemanha compuseram as principais procedências das cargas desembarcadas em Santos. Óleo diesel, caixas de marchas e outras partes e acessórios para automóveis foram as mercadorias de maior participação nesse fluxo.


voltar