+55 (11) 2632-1000
Escolha uma Página
Ministro dos Transportes promete acabar com atoleiros da BR 163 até 2018
24 de Maio de 2017 – 05h23 horas / Pé na Estrada

O ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, prometeu dar um fim ao lamaçal que, todos os anos, toma conta de trechos da BR 163, no Pará, formando filas de milhares de caminhões de carga à espera de uma solução para o escoamento da safra.

 

Em respostas a oito perguntas pré-selecionadas pelo ministério para que Quintella comentasse via Facebook, o ministro disse que todas as obras de pavimentação do Pará contam com orçamento de R$ 644 milhões para este ano e que o caos logístico que ocorre em todo início de ano na região não se repetirá em 2018.

 

O trecho é o principal eixo rodoviário para o escoamento de carga da região Centro-Oeste do País. Seu traçado liga a região produtora aos portos da região Norte, como o porto de Miritituba, no município de Itaituba (PA), onde já se instalaram diversas tradings de grãos. Neste ano, caminhoneiros que conseguiam cruzar os mil quilômetros da estrada – caso não tombassem pelo caminho – estavam levando 14 dias para concluir a viagem.

 

“Não vamos permitir que aconteça, na próxima safra, o que aconteceu nesta”, comentou Quintella, ao responder um questionamento sobre obras no Pará. Segundo o ministro, as empresas que farão as obras de cada lote já foram contratadas. Um desses lotes, como já costuma ocorrer, deverá ser executado pelo batalhão de engenharia do Exército. “Estamos apenas esperando que as chuvas da região permitam que as obras comecem” disse.

 

Quintella garantiu ainda que serão executadas obras na Transamazônica (BR 230) e BR 308 além das BRs 155 e 158, que seguem paralelamente à BR 163, a partir da região Nordeste do Mato Grosso. A estrada que corta essas rodovias, a BR 242, também tem previsão de receber R$ 48 milhões para que seja pavimentada, mas um bom trecho do traçado ainda depende de licenciamento ambiental.

 

O Pé na Estrada já esteve na região para mostrar as dificuldades de quem roda pela BR-163.


voltar